Instagram follow: @sophfloyd

Decidi começar uma nova trend no blog, para ver se começo a escrever aqui com mais frequência e acredito que esta tenha sido uma das melhores ideias que tive até ao momento.

O post sempre se chamará “Instagram follow: …” e vou procurar trazer sempre que achar conveniente, contas de Instagram que me inspiram e chamam a atenção.

Para ter uma estreia em grande, decidi trazer hoje o Instagram da Sophie Floyd que para além de influencer no Instagram, é também Youtuber.

A sua conta pessoal @sophfloyd, tem cerca de 274 mil seguidores de momento, e a conta onde partilha os seus desenhos de tatuagens @sophiefloydtattoo, 20 mil e 800.

Confesso que aquilo que me conquistou depressa foram as vibes estilo ‘Halsey’ aka ‘cool girl’.

As tatuagens também foram um ‘big yes’ para mim, não só por ser uma fã incondicional de tatuagens, mas porque, apesar de não ser tão aventureira e apologista de tão grande número de tatuagens, na Sophie, elas assentam como uma luva.

 

 @sophfloyd

71498410_545708559533318_4654508100793925632_n71147870_505527080242027_2931125101447348224_n71894245_418416002147649_7564194297457672192_n72053172_773156476453394_8243582802843402240_n71343285_403624610351198_7357633231245541376_n72194631_894656670917331_8775944789456584704_n71889621_840048179724645_5805793630882889728_n

 

@sophiefloydtattoo

 

 

Espero não ser a única inspirada pelo seu estilo eloquente!

Deixa-me saber nos comentários se decidiste-a adicionar a tua lista do inspirações no Instagram!

XX Carol

Um peso em cima dos outros

Sabes aquele sentimento com que tu ficas, quando alguém parece estar a ficar farto de ti? Aquela sensação em que todas as vezes que mandas uma mensagem, estás a ser inoportuna e chata! Quando queres dar parte do teu tempo, mas não há retorno?

Eu tenho me sentido assim ultimamente. Um peso em cima dos outros.

Muito certamente a culpa é minha e admito que sou irracional às vezes, deixo-me levar pelas emoções, espero por coisas que sei que não vão acontecer… crio expectativas que não são correspondidas, tudo porque tenho tendência a iludir-me e depois fico com medo.

Medo de estar a exigir demais, medo de ser intrometida e sufocante… medo de ser posta de lado.

Em certas alturas da minha vida senti-me posta de lado e nunca soube bem lidar com isso.

O problema é que me importo tanto com os outros, que espero que os outros se importem comigo da mesma forma e me retribuam a atenção… mas nem todas as pessoas são assim, aliás, poucas são.

E por fazer parte desse número reduzido de pessoas, sinto-me incompreendida ou melhor, mal compreendida a maior parte do tempo.

Passo por chata, por má da fita… e vivo numa luta constante a tentar controlar os meus pensamentos e atitudes.

Sempre soube que quem sente demais, sofre mais, e eu sempre senti muito.

XX Carol

 

 

Amor-próprio

Há dias em que eu penso que a minha mente vai explodir, de tanto pensar. Dias em que acordo à espera da hora em que me deito outra vez para não ter de encarar a realidade.

Eu já passei por situações na vida que me fizeram questionar se eu realmente estava certa ou não. Houve alturas em que cheguei a duvidar da minha sanidade, por já não saber lidar com os meus sentimentos.

A verdade é que a falta de amor-próprio sempre foi o meu maior obstáculo. Por causa dela eu sempre fui insegura.

Fui magoada, mais vezes do que as que eu posso contar e ainda não aprendi a lidar com isso.

A maior parte dos dias, eu estou demasiado consciente de mim mesma. Eu ando e penso na minha forma de andar, eu falo e penso na minha forma de falar, eu sorrio, consciente dos meus dentes tortos… eu nunca consigo desligar o interruptor, que me impede de ser feliz.

Hoje foi um daqueles dias em que eu não queria ter acordado.

O meu dia começou logo mal, acordei sobressaltada e nervosa. Discuti e chorei.

O resto foi uma espera pelo tempo que nunca mais passava e agora, agora que voltei a me auto-sabotar e caí no choro, novamente… estou na esperança de que amanhã talvez seja um pouco melhor.

XX Carol

Tatuagens a Vermelho

Is this a trend or someting?

Ultimamente tenho encontrado várias vezes imagens de tatuagens em vermelho, tanto no Insta, como no WeheartIt e Pinterest e não sei se é alguma trend que está agora em alta ou não, mas conquistou-me!

Se não sabes daquilo que estou a falar, vou te mostrar então!

XX Carol

O que vou usar no meu aniversário!

Faltam hoje exatamente 10 dias para o meu aniversário e apesar deste ano não ter intenções de comemorar, não excluí a ideia de comprar algo para usar na noite, uma vez que vou com os meus amigos a uma festa local!

Depois de MUITA procura, acabei por encontrar na Forever21 o vestido certo e claro, não podia mandar vir apenas um vestido, por isso fiz uma pequena lista de compras no total de 61€

img_1766

Vestido: 36€

Brincos: 7€

Óculos: 9€

Capa iPhone: 3€

Meias (pretas e vermelhas): 3€

XX Carol

Confiança (ou a falta dela)

Eu gostava de poder confiar como dantes. Eu não queria ter estas vozes na minha cabeça que me dizem “talvez não seja verdade”, “talvez esteja a esconder algo”… eu não queria duvidar, mas as circunstâncias só pioraram tudo e eu comecei a acreditar que talvez eu não possa mesmo confiar em ninguém.
Todas as pessoas que amo acabam por me desiludir em certo momento e quem sou eu para as julgar? Uma hipócrita? Talvez eu seja uma maior desilusão ainda para elas… talvez…
Sinto-me de mãos atadas e de boca tapada, eu quero falar… só que o medo é maior e ele impede-me de agir…
Eu queria confiar de olhos fechados e agora não é possível, não tão cedo pelo menos…
É difícil confiar em alguém que não mantém a sua palavra… e eu sinto-me mal por não conseguir acreditar mais no que me é dito, mas quando eu dei tudo de mim a alguém e vi o meu esforço ser desperdiçado, algo dentro de mim partiu-se…
…por isso desculpem-me se eu tenho dificuldades em confiar, eu não queria duvidar, mas quando eu confiei… eu acabei magoada.

XX Carol

Está tudo bem, em não estar sempre bem!

Hoje o meu dia começou mal e não acabou melhor, acordei com um sentimento derrotista acerca de mim mesma, sem vontade de sair da cama e encarar o mundo, porque me sentia cansada e doente (e quando digo doente, não me refiro apenas fisicamente, mas também emocionalmente) para enfrentar o que veio de seguida.

Tive azar! Hoje era um daqueles dias em que tudo de mal me aconteceu e eu não soube lidar bem com isso.

Passei o dia a tentar escapar da minha cabeça, sem sucesso algum, caindo no mesmo erro de voltar a pensar nas coisas que me estavam a incomodar e a chorar, outra e outra vez.

Chegou a um ponto em que quase adormeci de exaustão e não me orgulho de ter deixado que aqueles sentimentos sentimentos me consumissem e me deixassem num estado tão debilitado…

Eu sabia que seria um longo dia e que não vai passar amanhã, mas eu tenho de perceber que está tud bem em não estar sempre tudo bem, porque há dias assim…

Dias em que acordamos e somos fortes, outros dias nem tanto… mas isso faz de nós aquilo que somos, humanos…

 

 

Instabilidade Emocional

Decidi partilhar mais uma vez um post sobre um assunto que me é muito pessoal e sempre me afetou. Instabilidade emocional.

Já há vários dias que me tenho sentido muito em baixo, às vezes acho que é falta de sono, mas não tenho a certeza, mesmo quando durmo melhor, fico assim… sem sequer perceber se aquilo que eu estou a sentir é tristeza ou apenas tédio existencial e por isso decidi falar acerca disto, na esperança de que, alguém se consiga relacionar de alguma forma.

Eu acho que nunca ninguém vai-me entender. Há certas coisas em mim que nem eu mesma entendo. Fico muito facilmente magoada, em situações que mais ninguém se sentiria. Tenho muitos medos e inseguranças que não me deixam sentir bem comigo mesma e muito sinceramente, isso consome-me.

Sinto-me inútil e facilmente substituível, porque na minha cabeça, qualquer pessoa faria melhor, seria melhor… que eu.

Ridículo? Sim! Muito, mas é inevitável, eu tanto estou bem, como de repente sou bombardeada com estes pensamentos que me atingem como laminas afiadas, por todos os lados.

Eu sei que não é bom para mim, que estes pensamentos deviam e podiam ser evitados, mas eles muitas vezes parecem maiores do que eu e em momentos de fraqueza, eu deixo que esses pensamentos levem a melhor.

Há dias em que estou bem durante quase o dia inteiro, há dias em que eu desejava não ter acordado.

Eu deito-me sempre a pensar em como será no próximo dia, com esperança de que amanhã, não seja tão mau quanto foi hoje.

Não sei sequer se fiz sentido, mas estava a precisar de desabafar.

XX Carol

Auto-estima

Hoje vim falar de um assunto que desde que me lembro, sempre me afetou!

Falar sobre isto não é propriamente fácil, foi algo que sempre me acompanhou e ainda hoje vive em mim.

Auto-estima! Parece o cliché dos clichés, mas este sempre foi um problema constante ao longo do meu crescimento.

Desde muito nova eu sofria de falta de auto-estima. Eu acreditava, no entanto, que era uma fase passageira, que eventualmente, eu ia acabar por ultrapassar isso. Os anos passaram e com algum esforço, consegui mudar consideravelmente a ideia que tinha acerca de mim mesma, ainda que com dias maus e algumas recaídas, eu consegui  progredir.

Hoje tenho 22 anos e ainda estou a aprender a gostar de mim, a aceitar o meu corpo, sem que inevitavelmente, me compare a outras pessoas.

Eu sei que nunca vou ser magra, nunca vou ter aquela cintura perfeita, nem a altura certa. Eu não nasci com um corpo assim, e nunca vai ser fácil para mim perder peso, porque a minha genética não o permite.

Eu sei que quando acordar de manhã, a primeira coisa que eu vou fazer ao me levantar, vai ser, olhar-me ao espelho, para ver como estou, ver se acordei com olheiras ou com a barriga inchada.

Vou demorar a escolher a roupa, porque todas elas me fazem parecer “gorda”. Vou passar todas as refeições a pensar que tenho de comer devagar e pouco.

Vou beber 2 litros de água, porque me disseram que o devia fazer, vou ao ginásio e sentir-me desmotivada mal ponha lá os pés, porque acho que nunca vou ser como gostaria de ser.

E no dia seguinte  vai ser igual e no outro também. E os dias vão se tornando em semanas, e as semanas em meses e consequentemente, os meses passam a anos e eu mantenho-me ali, parada no tempo, presa a uma “doença” que não me permite estar feliz a longo prazo.

Eu não gosto de ser assim. É horrível não conseguir desligar este botão dentro de mim que me diz que eu deveria ser perfeita e que me recorda tantas vezes ao longo do dia, que eu não sou.

Eu quero mudar! Eu quero sentir-me bem comigo mesma, sabendo que a beleza dos outros não implica a minha própria beleza. Eu quero ter a confiança para me manifestar em frente de qualquer pessoa, sem ter medo daquilo que ela vai pensar de mim.

Há tanta coisa que eu preciso de trabalhar, tantos “erros” que precisam de ser reparados.

Eu estou aqui a espôr-me, depois de tanto tempo a pensar se o deveria fazer ou não. Eu quero que todos aqueles que me conhecem, seja pessoalmente, ou apenas através das redes-sociais, saibam que eu luto diariamente com a minha auto-estima, a minha auto-aceitação. Eu sou apenas mais uma pessoa, com os meus problemas. Não quero de forma alguma vitimizar-me, pelo contrário, quero mostrar a qualquer outra jovem, que se familiarize com esta situação, que ela não está só, que ela não é a única no mundo a se sentir assim.

Se há algo que aprendi ao longo do tempo foi que, ninguém é de ferro, todos nós temos os nossos dias menos bons, precisar de ajuda não é sinal de fraqueza, porque não existe ninguém neste mundo, que nunca tenha precisado de ajuda para nada, em algum momento da sua vida.

Espero que de alguma forma este texto possa vir a ajudar alguém, que passe pelo mesmo que eu, e se sim, ficaria extremamente feliz se me contactassem através do e-mail allaboutfashionandme@gmail.com

beijos de luz,

XX Carol